Origem e História

A galinha Pedrês Portuguesa teve sempre um papel fundamental na sustentabilidade das famílias Portuguesas nos meios rurais, sobretudo às “gentes” da região do Minho e Trás-os-Montes.

Uma galinha criada durante anos pelo nosso povo no antepassado e que acabou por originar uma galinha geneticamente adaptada ao nosso clima, solo e todos as adversidades resultantes das mesmas. Uma galinha que está bem presente na nossa memória, criada nas capoeiras dos nossos avós, resistentes a doenças e de elevada rusticidade.

Uma galinha de criação com base numa alimentação de cereais e excedentários das hortas e habitações familiares. Uma Galinha que colmatou desde sempre os poucos rendimentos associados a um agricultura de subsistência.

Com a inserção de inúmeras raças de galinhas híbridas de alto rendimento nas poucas capoeiras existentes em Território Nacional a Galinha Pedrês Portuguesa encontra-se pela Portaria nº 55/2015 de 27 de Fevereiro – Segundo a lista de raças ameaçadas e grau de risco de extinção: Grau A (raças raras/particularmente ameaçadas), existindo menos de 2000 cabeças de fêmeas adultas em estado puro.

Dados: AMIBA


“-Linda franguinha pedrês, lá do poleiro da casa branca: lembras-te do teu apaixonado? – exclamava uma voz fina de bonifarte.
-Lembra-te! – ripostava o galo pilão do Rabecas. – Fugias diante de mim que por pouco não te ias meter na panela da sopa!”

Aquilino Ribeiro, Andam Faunos Pelos Bosques, 1926
(Retirado do livro Os nossos recursos genéticos animais, Um património que resiste)

Veja ainda mais uma parte da História AQUI